8/11/2012

TRIBUTO A MEU PAI


A vida é cheia de lembranças, boas e ruins e elas marcam nossa história, é por isso que aproveito para homenagear o homem que mais marcou a minha vida, o Sr. Liberalino Nunes. Homem simples, filho de empregada doméstica que desde cedo aprendeu que a vida não é fácil, ainda pequeno os dois, ele e minha avó moram de casa em casa, a aos oito anos de idade já começava a trabalhar.
            Cresceu lá pelos lados dos Campos Elíseos, trabalhador, pois nestas situações que podemos dizer que Deus prepara, conhece a jovem Olga, filha de policial e crente que freqüentava a Primeira Igreja Batista em São Paulo. No início do namoro não entrava na Igreja somente ia buscá-la a porta, mas a Graça de Deus um dia o alcançou entrou e depois de alguns anos se batizou.
            Creio que muito de seus anos são frutos da benção bíblica de honrar pai e mãe, pois assim que casou sempre amparou sua mãe,  mesmo tendo mais uma irmã e um irmão que viveram com o pai, sua mãe,  enquanto viveu sempre teve o amparo do filho.
            Depois de casado vem os filhos, três mulheres e eu o caçula, nasci quando tinha 42 anos, me lembro de várias coisas desde a minha infância, devia eu ter uns cinco anos o esperava quando chegava da faculdade, lá pelas 11 horas da noite, ele então ia jantar e na mesa da cozinha conversávamos.
            Dentre tantas lembranças sempre me recordo dos jogos do futebol no quintal de casa, das bolas de capotão que comprava (e foram várias) para jogar com meus amigos na rua, das vezes que fui trabalhar com você, ora na Nadir Figueiredo como vendedor, ora na polícia na sua repartição.
            Mas nada se compara ao homem reto e digno e honesto, sempre com o coração que é maior do que o seu tamanho, muito nos ensinou. Não posso me esquecer de que desde cedo o acompanhei nos seus trabalhos missionários, mesmo trabalhando a semana toda não tinha preguiça de todo fim de semana pegar a estrada e pregar o Evangelho.
            Deste seu amor por Deus, surgiram quatro Igrejas, e também foi desta época que surgiu o meu apelido de “pastorzinho”, pois sempre andava junto com você. O tempo foi passando, chegou a sua aposentadoria, e com ela a possibilidade de servir a Deus de forma mais livre e intensa.
            Eu cheguei à adolescência e juventude, fase para nós dois um pouco conturbada, às vezes nos desentendemos, mas é normal e da idade, posso dizer que fomos normais, erramos e nos perdoamos, e nisso você foi ganhado netos e eles também passaram a trazer alegria e mais vida a você e a mamãe.
            Mas eu cresci de fato e chega à hora de deixar pai e mãe e lá fui eu constituir a minha própria família, e seus meses depois de casado vou morar nos EUA, parti para novos desafios ao lado da Hélia minha amada esposa.
            Mas um mês e meio depois que fui embora recebi uma ligação de que a mamãe tinha ido para o hospital, as semanas passam e o quadro vai ficando cada vez mais difícil, meu coração aperta a cada dia, até que no final de março, venho ao Brasil, passo uma semana, saio daqui com o quadro dela estável, mas depois que fui embora, o quadro só piorou, minhas ligações eram diárias e sua voz era o meu parâmetro, dias ruins para todos nós, até que em Julho na minha chegada ela parte, e pudemos juntos viver aquele momento.
            Doloroso, mas a vida continuava e você foi para os EUA comigo e estava lá quando descobrimos que eu seria pai e você avô mais uma vez, Priscilla estava a caminho, procurei entender o quanto foi doloroso aquele tempo afinal viver quase 50 anos ao lado de alguém e perder não deve ser fácil.
            Sempre fazendo o que pode por filhos e netos continuou a vida, e neste tempo encontrou Vera;  na verdade resisti  - tolice, pois filho é assim mesmo, tivemos atrito, mas o que importa é que nos perdoamos e hoje posso dizer o quanto Vera é importante para você.
            Veio o câncer, mas você resistiu bravamente, sem seqüelas segue a vida hoje já é bisavo e com seus quase 85 anos ainda nos ensina que a vida é cheia de coisas boas, e que com Deus vale a pena viver, seu neto caçula, Nathan  me disse outro dia “E muito legar brincar com o vovô.”
            Na verdade pai,  eu acho que ainda tem muitos anos de vida, mas quero fazer este tributo a você  neste  dia, afinal você está cheio de vida, mas de verdade queria escrever,  para dizer que te AMO, Deus te abençoe.
            

8/01/2012

Grávidas optam pelo aborto por falta de apoio

Grávidas optam pelo aborto por falta de apoio: Todas as mulheres entrevistadas disseram sentir culpa em relação ao que fizeram e relataram medos resultantes de sua decisão.